sexta-feira, 11 de abril de 2008

Pedido

Moço, traga-me só a tônica a tônica da vida a tônica da sílaba a tônica da canção que foi derramada sobre o balcão e seca com pano ensopado de suor sobre o piano de cobre e cobertor de linho azul. Moço, traga-me só a tônica a tônica da lua pendurada lá em cima a rir-se desse meu peito arfante, exausto e solitário de tanto desgastar-se entre versos e melodias vagas que escrevo no guardanapo amassado desse bar virtual abençoado. Moço, traga-me só a tônica que eu risco aqui, com o dedo em riste um dó, um ré, um mi triste e canto uma toada acompanhada pelos melhores poetas que existem. Moço, só uma tônica, por favor, pra eu misturar com açúcar e mel e poesia e amor... Aos 15 minutos do dia 11 de abril de 2008

Um comentário:

Nath disse...

Ah, moço, não se esqueça de ligar a vitrola, faz favor, pra que eu possa ouvir aquela música bonita.