quinta-feira, 24 de abril de 2008

Premonição

Inconstante, canso de divagar. São lentos os passos que me cercam e os pesos impressos na folha reluzem os pedaços do passado recente. O gosto de fruta gelada confude a canção que acompanha o vaso de flores no jardim recém plantado. A tarde livre dessa quarta-feira triste é tapete de escala de cores na escolha que urge entre os afazeres esquecidos, de tanto retomar a antiga lista. O sonho da alma liberta a libélula do pensamento. Empresto o brilho de um céu vago aos instantes que julgo meus, contigo. Teus versos invadem a solidão e quebram os vidros embaçados da lua que se escondeu atrás de uma nuvem de doce e branco algodão. Espero a tempestade que se arma no horizonte, quando já não estiveres aqui. As possibilidades de cristal correm riscos. As portas do futuro estão abertas hoje. E eu temo que o medo seja tão palpável que acabe por congelar as mãos do poeta... 24.04.2008 - 01h30min

7 comentários:

Liege disse...

Querida, que lindo! É preciso muito cas interior para parir uma flor que dança! bjim

© efeneto disse...

Há no voar das gaivotas,
Um cheiro que paira no ar.
Sei que este Inverno vai acabar.
Não haverá sonhos mutilados,
A paz é um país a conquistar
Ao sabor do perfume dos cravos.

Sei que a Primavera vai despertar
No sol de Abril em verdade,
Sei que os rios desaguam no mar
E a nossa voz na liberdade.
**
Liberdade no feriado e Paz no fim-de-semana.
Beijos e abraços á escolha.

Fotoclike disse...

Olá, obrogado pela visita e pelo comentario.. São amadoras sim, ao contrario das poesias aqui hein! hehe
Belo blog.. voltarei sempre..
abraços

© efeneto disse...

"que acabe por congelar as mãos do poeta..."

Por certo que não congelam. Até porque:

"As portas do futuro estão abertas hoje"

Beijito de agradecimento pela sua visita.
Boa semana com amizade e palavras dentro

Nath disse...

Cinzas por demais...

Peço ao drummond uma flor bem colorida pra brotar deste asfalto...

david santos disse...

Brilhante!
Parabéns.

Anônimo disse...

Contida dor que se esparrama como a rede do pescador. O peixe é consequência da busca, da espera... Sem certeza, mas sem medo, o pescador não desespera, persevera... sucesso!
ORLANDO