domingo, 26 de abril de 2009

Volta

Aos navegantes que tão simpaticamente reclamaram minha ausência, aviso:
a poesia mora em mim,
ainda que adormeça de vez em quando.
Não sei que sonífero ela toma.
Não sei que susto a assusta,
ou que medo a amedronta.
Não sei o que a faz recuar,
nem o que faz brotar esses versos
que planto em mim.
Não sei.
E não sei se quero saber.
Mas sinto falta de escrever.
Sinto falta dessa agonia que me dá,
quando quero, quando preciso 'dizer'.
Sinto falta da sensação
de descontrole
sobre minhas próprias mãos
ou sobre meus pensamentos,
quando ela me acomete
e se derrama feito bálsamo
ou talvez um outro ente
(quem vai saber?).
Sinto falta
feito droga no meu sangue
dessa tal de poesia
que me domina
e é mais importante pra mim
que a vida
(forte isso? nada!
repara, a poesia não é ela
mesma a própria: vida?).
Por isso hoje estou feliz.
Ela acordou.
Está de volta.
E me sorri.
26.04.2009 - 20h28min

2 comentários:

Marco Sistinne disse...

Olá Simone, parabéns pelo blog, voltarei aqui com mais calma para revê-lo.

abraços literários
Marco
Bula Literal

Em tempo: Gostei bastante:
"Por isso hoje estou feliz ...",

pois normalmente não nos damos
conta disso ...

Ricardo Kersting disse...

Muito bom tê-la de volta.
Melhor ainda sentir a tua presença, aida que envolta em brumas como crisálida perdida..
Muita saudade.
Beijos