quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Coletânea

Mudo minha mudez solto a língua e destravo a hora escolho a soma e a batalha não escondo as armas as que tenho são essas essas as de que disponho. Pontuo as condições conduzo o discernimento com base no que meus olhos não vêem. Meu corpo estremece. Compactuo com o tempo que passa. A pasta engrossa o caldo e eu já não vejo um palmo quanto menos os riscos da palma da mão que me disseram que indicavam longevidade. Estou muito distante dos meus dias preferia estar longe dos meus ais... 13.08.2009 - 15h30min

Um comentário:

Brunno Soares disse...

Achei um pouco de mim em 'Coletânea'
saber as armas que se tem
saber usá-las.
ir a luta é viver.


sempre que venho aqui me delicio.
abraços