sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Nada

Ainda escrevo como sempre
(e 'sempre' é tão longo às vezes!).
Ainda escrevo com caneta de ponta fina
em agenda antiga vazia
comprada especialmente para versos
rabiscados
rebuscados vocábulos
nunca suficientes
(e 'nunca' é tão longo às vezes!)...

Escrevo insuficiências.






Aos 11 minutos do dia 11.12.09

Um comentário:

Brunno Soares disse...

o 'Nada' persiste. Nada de inspiração; nada de alegria, nada de nada. Ausência.

Estou em uns dias de 'nada'.
Me encontrei nesse poema.

Por isso eu amo vir aki.
bjos gaúcha