segunda-feira, 25 de julho de 2011

Abertura

E se as palavras aliviarem
a insistente tristeza instalada
alcançaremos enluarada vitória
entre as conchas das mãos espalmadas.

E se os risos forem constantes
e as condições permanentes
talvez vejamos nascer uma chance
de fazer com que tudo seja diferente.

Rimas, orvalhos, defeitos
confessos ou não nas letras
nos desenhos estrelados
ou ventos soprados nas janelas
plantados nuns versos devassos.

Eu planto sementes
tu decides se elas vingam...
Ou não...





25.07.2011 - 02h38min

Um comentário:

Anônimo disse...

.