sábado, 26 de janeiro de 2008

Hay tanto que decir...

Insuficientes são as palavras; nem que todas fossem reunidas e delas garimpadas as mais raras, as mais preciosas, as mais belas, ainda assim, não descreveriam nada do que existe entre nós. Nos dois. No Um. No Um que sou em ti. No Um que és em mim. Nada. Nem o vocábulo mais rebuscado. Escritura do mais erudito dos homens. Virgílio, talvez? Júlio César? Borges? Ninguém. Nenhum poeta. Nem tu. Nem eu. Impossível... ...yo sé que no es tanto de palabras pero hay tanto que decir al respecto... 26.01.2008 - dia nascendo... (Simone Aver e Roberto Amezquita)

Um comentário:

orlando reis disse...

Ah! se tudo pudesse ser visto o que a palavra detém...ai de nós... Creio existir um número esmagador de idéias verdadeiras que não admitem processo de verificação direta pela palavra. Por outro lado, a corrente do tempo só pode ser remontada pela palavra, ou indiretamente pelos prolongamentos ou efeitos presentes do que o passado abrigou. "O que o tempo passado FOI, é garantido por sua coerência com tudo que É presente." Sucesso, sempre!