terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Inutilidade

É inútil minha arte.
Ela nada te acrescenta
além de perguntas
cujas respostas
são outras interrogações.
Se meu corpo te fala,
não afirma;
provoca.
Se meu risco te grita,
não define;
duvida.
Se minha palavra te diz,
não explica;
confunde.
Se meu gesto te traduz,
não expõe;
multiplica.
Minha arte desfia lãs.
Desfila curingas e copas de rainhas.
Minha arte copia sonhos.
É incapaz de soluções.
Respira o vício da busca.
Procura.
É inútil minha arte.
Complacente, passa por ela
e sorri...
20.01.2009 - 14h20min

Um comentário:

magopatologico disse...

Sabia que ontem mesmo estava pensando nas suas pinturas? nas que vc pinta de mulheres nuas com véus?

Pensei até em perguntar porque vc as fazia, mas você leu meu pensamento e escreveu um dia antes!

Beijos do Daniel