segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Implícito

Troquei visita com as tuas cruzes
e as faixas penduradas nos teus armários
manchadas de cicatrizes.
Não vi teu riso
extinto há tempos
dessa tua boca surda.
Contei os pontos
dedilhei as cordas
suavemente.
Sem pejo
vasculhei as iras
ironizei as luas
frias
cruas.
Tranquei a visita
num canto do medo.
Intimidei o corte.

Voei.







25.01.2010 - 16h12min

2 comentários:

Ricardo Kersting disse...

Oi Simone
Gostei muito deste poema. Mais ainda da viagem que ele proporciona. Uma viagem surrealista
pelo desconhecido, não tão desconhecido assim.
Muito criativa e interessante a tua abordagem..
Abraços...

Teólogo disse...

UAU,
Decolou no final, gostei muito do texto.
Abraço.