quinta-feira, 4 de março de 2010

Sobrevivência

Eu não sei se pinto o muro
se faço chacota da vida
se invento histórias mal contadas
se durmo três noites seguidas.

Eu não sei se é melhor esquecer
ou remediar de vez
talvez computar mais detalhes
ou escrever em bom português.

Eu não sei se me atiro na areia
ou se abro a boca e olho pro céu
se danço um tango no intervalo
ou se choro na chuva vestindo apenas um véu.

Eu não sei as razões da agonia
ou talvez possa enumerá-las todas
sem errar uma vírgula sequer.

Eu não sei das chaves nem dos portões
nem sequer eu sei
onde foi que eu errei.




As respostas se perderam no meio de um emaranhado de pontos de interrogação sem nenhuma outra explicação além da usual aquela mesma vaga em todas as várias ocasiões igualmente especiais exceto pelo fato de não serem perigosas em absoluto ainda que se equilibrassem sobre as linhas pintadas de amarelo bem no meio do asfalto ao longo de aproximadamente duzentos quilômetros que parecem há anos muito mais longos que a Muralha da China muito mais finos que um fio de cabelo branco pintado de vermelho religião





04.03.2010 - 23h21min

2 comentários:

Teólogo disse...

As vezes me sinto assim...
Abraço
_________________________________
http://www.livroteologo.blogspot.com/

Ricardo Kersting disse...

Oi Simone

São todas dúvidas legítimas, aliás a honestidade emana de todas as palavras tuas escritas ou não ditas.
A muralha da China é realmente muito longa e distante. Para mim é um divisor cósmico e até hoje não descobri meu lado...pintar uma chacota no muro? É uma boa.
Bjs.