domingo, 20 de janeiro de 2008

Cantar

Desafinado? Pode. Errando a letra? Também pode. Pode inventar? Pode. Pode improvisar?Também pode. Só o que não pode é o coração deixar lá de onde a gente veio. Esse tem que estar junto saltar da boca, rebolar na gente. O coração tem que dançar na escolhida canção no erro da afinação na nota, no escorregão. Cantar? Sempre pode. Com o coração... 20.01.2008 - 23h40min

Um comentário:

angel disse...

Hermoso poema, bello homenaje al heterónimo de Reis y caeiro. Un gusto descubrir tu espacio literario.

saludos...