quinta-feira, 17 de abril de 2008

Deserto

hum.... local deserto... posso dançar nua gritar para a rua disfarçar a dor de luz de lua coroar a noite escura. Posso falar besteira e estender uma esteira bem no meio da pista de dança. Posso voltar a ser criança e esperar que o dia amanheça. Mas... eu poderia fazer tudo isso de qualquer jeito inda que todos aqui estivessem inda que os sons e assovios e tambores também retumbassem batucados pelas mãos e pelos dedos dos poetas alegres ou entediados ou nervosos que eu amo tanto e que respeito. Mas... o local está deserto não há ninguém por perto e eu desconfio que vou morrer de solidão... 17.04.2008 - 20h10min

4 comentários:

Mary Ramos disse...

Eita amiga, só vc pra me fazer rir..rsrsrs
Quando leio o que vc escreve, sinto-me envergonhada com tamanhas bobagens que chego a escrever hehehe

Tb adoro vc, sou tão feliz por ter conhecido vc, por vc fazer parte do meu mundo virtual e real.

beijos

Poeta Mauro Rocha disse...

Morra de amor, mesmo que para isso tenha que amar a solidão....

Obrigado pela visita.Volte.

Um abraço

MAURO ROCHA

Nath disse...

Ainda que não se perceba, há sempre um alguém a observar outrém, mesmo que em silêncio; mesmo que isso não seja o suficiente para suprimir o vazio que insiste em abater a alma de quem espera por notícia que não chega, que não chegará.

Anônimo disse...

"Nunca estou menos só do que quando estou solitário" Cícero


....é ou não é!?....