sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Vanguarda

Sinuosa silhueta-lua
embebida em disfarce
forçada a rebentar algemas
partir-se em duas
dispersar-se.
Arisco penhasco
ponto final imposto
sobre um i riscado
na prataria da rendição.
Perder é fechar-se em copas.
Copular é abrir-se em mais.
Poesia.





27.08.2010 - 19h
*Depois de um "ulTImatum", o que mais pode fazer uma mulher, além de TENTAR  poetar de novo?
*Pediste, aí está...

2 comentários:

Fabricio Martines Alves disse...

Gosto de tuas poesias porque as vezes não entendo, tenho que ler de novo, e as vezes meesmo sem entender de novo, sinto alguma coisa organica ou sentimental. Tu é doida, nunca mais guarde a loucura para si, jogue-a no mundo e aí pode esvaziar-se para receber novas inspirações..."Copular é abri-se mais". Aí está.

Marcello disse...

Aplaudindo, de pé. Eu sabia que você voltaria melhor que antes.


Beijos


Cello