sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Razoável

Criar é entreter os sentidos
tornar um tanto mais leves os ombros
que carregam todo um universo
de espinhos e franjas de pontiagudas estrelas
as arestas das frestas dos prantos
cortadas pela raiz de um dia claro.

O avesso do que se espera
é sempre um susto
daí a paralisia...



27.08.2010 - 19h33min

2 comentários:

Fabricio Martines Alves disse...

Com esta poesia imagino o peso que saiu de tuas costas...estás mais leves? já flutua por aí? Guria... o avesso, voce é "mestra" nisso. Não pareeeeeeeeeeeeeeeeee

Marcello disse...

Sim, vc sempre espera o melhor, e recebe o avesso, o reverso da medalha, como vc mesma diz. Bem, essa queda foi mais feia que as outras, mas vc está de volta, e é isso que importa. A paralisia passou, portanto, mexa-se. É muito bom ver sua dança.


Beijos



Cello